Comida Alemã

13 10 2009

Receitas de Comida Alemã

A culinária alemã é pouco conhecida entre os brasileiros, exceto entre descendentes. A idéia geral é a de que se trata de uma cozinha “substanciosa” e “generosa” e que valoriza carnes de porco, repolho e cozidos. Esta idéia geral não está totalmente incorreta, mas ao resumir a cozinha germânica a este conceito perdemos uma dezena de detalhes e variações culinárias, que, como em qualquer país, mudam de região para região.

Uma característica marcante da comida alemã é a mistura de frutas às comidas salgadas, como a sopa de cerejas e a sopa de enguias (com cenouras, ervilhas, aspargos, ameixas e damascos secos) especialidades de Hamburgo. Na região da Floresta Negra, há o lombo de veado servido com maçãs e recheado com frutas vermelhas. O tradicional Himmel und Erde (“Céu e Terra”) é feito de purê de batatas e maçãs e servido com lingüiças grelhadas.Outros componentes típicos da cozinha alemã são os pães de todas as cores e formatos, como os integrais, de centeio e trigo ou ainda temperados gergelim e cominho (knackebrot e pumpernickel).

Receita de Knodel

Receita de Knodel

Dificuldade: Fácil
Tempo de Preparo:
1 hora

Ingredientes

1 colher (sopa) de cebolinha picada
2 colheres (sopa) de salsa picada
150 a 200 gramas de frios variados
100 gramas de farinha de trigo
caldo de carne (opcional)
8 pães amanhecidos
2 ovos batidos
250 ml de leite
sal

Modo de Preparo

Cortar em cubinhos 8 pãezinhos amanhecidos.

Colocar em uma bacia junto com dois ovos batidos, 250 ml de leite e sal. Misturar bem, e deixar descansar 1 hora

(pode ser feito de um dia para outro neste caso colocar na geladeira)

depois acrescentar de 150 a 200 gramas de frios cortado em pedacinhos, pode ser resto de mortadela ou quaisquer outros frios,

2 colheres de salsa picada, 1 de cebolinha picada e 100 gramas de farinha de trigo, misturar tudo bem, e fazer com esta massa várias bolinhas, depois cozinhar em água fervente salgada ou caldo de carne,

servir como molho de macarronada ou como acompanhamento de carne assada ou ensopada, ou como sopa junto com caldo de carne.





MOLHO AGRIDOCE

15 08 2009

RECEITA Nº01


Ingredientes

01 xícara (chá) de vinagre branco

02 colheres (sopa) de massa de tomate

01 colher (chá) de molho inglês

01 colher (sopa) de Shoyu

01 colher (chá) de aji-no-moto

02 colheres (sopa) de água

03 colheres (sopa) de açúcar

1/2 colher (chá) de sal

Modo de Preparo


Coloque numa panela todos os ingredientes.

A seguir deixe ferver mexendo sempre.

Quando ferver acrescente 01 colher sopa

de maisena dissolvida em água, aos poucos,

e mexendo sempre para não encaroçar.

Ao ferver estará pronto.

Ingredientes
01 xícara (chá) de vinagre branco
02 colheres (sopa) de massa de tomate
01 colher (chá) de molho inglês
01 colher (sopa) de Shoyu
01 colher (chá) de aji-no-moto
02 colheres (sopa) de água
03 colheres (sopa) de açúcar
1/2 colher (chá) de sal
Modo de Preparo
Coloque numa panela todos os ingredientes.
A seguir deixe ferver mexendo sempre.
Quando ferver acrescente 01 colher sopa
de maisena dissolvida em água, aos poucos,
e mexendo sempre para não encaroçar.
Ao ferver estará pronto.

.

RECEITA Nº02

Ingredientes


3 colheres de sopa de vinagre

4 colheres de sopa de açucar

4 colheres de sopa de ketchup

3 colheres de chá de maizena

1 colher chá de sal

1 colher chá de óleo de soja

Modo de Preparo


Misture todos os ingredientes e leve ao fogo até engrossar

OBS: O molho Agridoce pode ser usado para varios tipos de comidas e Carnes.

.





Rolinho primavera

15 08 2009

abril.com.br

Ingredientes

2 xícaras (chá) de farinha de trigo

1 colher (sopa) de óleo

1 colher (café) de sal

1 e 3/4 de xícara (chá) de água


Recheio

3 colheres (sopa) de óleo

300 g de carne suína em tiras

1 cenoura pequena em tiras

2 xícaras (chá) de broto de feijão

3 colheres (sopa) de cebolinha picada

1 colher (chá) de gengibre picado

1 colher (sopa) de molho shoyu

1 colher (sopa) de saquê (opcional)

1 colher (sopa) de maisena.


Acabamento

Farinha de trigo e água


Modo de fazer

Misture a farinha, o óleo, o sal e a água e forme uma massa líquida. Cubra com filme plástico e deixe na geladeira por três horas. Aqueça uma frigideira, coloque uma porção e espalhe. Doure só de um lado. Faça isso com todo o preparado e reserve os discos. Recheio: Aqueça o óleo e frite a carne. Junte a cenoura, o broto de feijão, a cebolinha, o gengibre, o molho shoyu, o saquê e a maisena já dissolvida. Cozinhe por três minutos.


Montagem

No centro do disco, coloque uma porção de recheio frio. Feche como um embrulho, pincelando as laterais com água e farinha de trigo.

Rende 10 unidades
Ingredientes:
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de óleo
1 colher (café) de sal
1 e 3/4 de xícara (chá) de água
Recheio
3 colheres (sopa) de óleo
300 g de carne suína em tiras
1 cenoura pequena em tiras
2 xícaras (chá) de broto de feijão
3 colheres (sopa) de cebolinha picada
1 colher (chá) de gengibre picado
1 colher (sopa) de molho shoyu
1 colher (sopa) de saquê (opcional)
1 colher (sopa) de maisena.
Acabamento
Farinha de trigo e água
Modo de fazer:
Misture a farinha, o óleo, o sal e a água e forme uma massa líquida. Cubra com filme plástico e deixe na geladeira por três horas. Aqueça uma frigideira, coloque uma porção e espalhe. Doure só de um lado. Faça isso com todo o preparado e reserve os discos. Recheio: Aqueça o óleo e frite a carne. Junte a cenoura, o broto de feijão, a cebolinha, o gengibre, o molho shoyu, o saquê e a maisena já dissolvida. Cozinhe por três minutos.
Montagem: No centro do disco, coloque uma porção de recheio frio. Feche como um embrulho, pincelando as laterais com água e farinha de trigo.




Yakissoba vegetariano

15 08 2009
Ingredientes:
250 g de macarrão
3 folhas de acelga cortadas em tiras 4 porções
1 cenoura fatiada em rodelas
1 xícara (chá) de couve-flor em pedaços
1 xícara (chá) de vagem cortada em 3 pedaços
1 xícara (chá) de brócolis cortado em pedaços
1 xícara (chá) de broto de feijão
1 xícara (chá) de água
1/2 xícara (chá) de óleo de gergelim torrado
1 xícara (chá) de shoyu (molho de soja) 1/2 pimentão verde picado 1/2 pimentão amarelo picado
2 colheres (sopa) de amido de milho
Sal a gosto
Modo de fazer:
Cozinhe o macarrão al dente e reserve. Refogue os legumes, em fogo baixo, com um pouco de água, começando pela cenoura. Deixe-a amolecer e junte a couve-flor e o brócolis. Espere ficarem macios e acrescente o pimentão e a vagem. Mexa suavemente e, se necessário, acrescente mais água. Quando os legumes estiverem cozidos, mas sem desmanchar, coloque o shoyu (molho de soja) e o óleo de gergelim. Dissolva o amido de milho em uma xícara de água e junte aos legumes para engrossar o caldo, mexendo sempre. Tempere com o sal e adicione a acelga e o broto de feijão. Desligue o fogo, tampe a panela e reserve. Em uma frigideira grande, frite o macarrão em um pouco de óleo até ficar levemente tostado. Coloque-o em uma travessa e cubra-o com os legumes.
abril.com.br

Ingredientes

250 g de macarrão
3 folhas de acelga cortadas em tiras 4 porções
1 cenoura fatiada em rodelas
1 xícara (chá) de couve-flor em pedaços
1 xícara (chá) de vagem cortada em 3 pedaços
1 xícara (chá) de brócolis cortado em pedaços
1 xícara (chá) de broto de feijão
1 xícara (chá) de água
1/2 xícara (chá) de óleo de gergelim torrado
1 xícara (chá) de shoyu (molho de soja) 1/2 pimentão verde picado 1/2 pimentão amarelo picado
2 colheres (sopa) de amido de milho
Sal a gosto

Modo de fazer

Cozinhe o macarrão al dente e reserve. Refogue os legumes, em fogo baixo, com um pouco de água, começando pela cenoura. Deixe-a amolecer e junte a couve-flor e o brócolis. Espere ficarem macios e acrescente o pimentão e a vagem. Mexa suavemente e, se necessário, acrescente mais água. Quando os legumes estiverem cozidos, mas sem desmanchar, coloque o shoyu (molho de soja) e o óleo de gergelim. Dissolva o amido de milho em uma xícara de água e junte aos legumes para engrossar o caldo, mexendo sempre. Tempere com o sal e adicione a acelga e o broto de feijão. Desligue o fogo, tampe a panela e reserve. Em uma frigideira grande, frite o macarrão em um pouco de óleo até ficar levemente tostado. Coloque-o em uma travessa e cubra-o com os legumes.

Rende 4 porções




VATAPÁ

15 08 2009

Ingredientes

- 8 pães amanhecidos (amolecidos em 2 litros de água quente)
- 2 tabletes de caldo de peixe
- 150 g de amendoim torrado sem casca moídos (para a massa)
- 100 g de castanha de caju torrada e moída (para a massa)
- 100 g de camarão seco batido no liqüidificador até formar uma farinha
- 50 g de camarão defumado batido no liqüidificador até formar uma farinha (para a massa)
- 1 cebola grande picada
- 4 dentes de alho
- ½ xícara (chá) de cebolinha picada
- 1 xícara (chá) de salsa picada
- ½ xícara (chá) de coentro picado
- 1 pimenta de cheiro
- 200 ml de azeite de dendê (100 ml para a massa e 100 ml para dourar o camarão)
- 1 colher (sopa) de gengibre ralado fino
- 80 ml de azeite de oliva
- 200 g de camarão fresco pistola
- 300 ml de leite de coco
Modo de Preparo
Para a farinha de camarão:
Espalhe cada tipo de camarão numa fôrma.
Leve para secar em forno alto por 15 minutos, mais ou menos.
Bata 1 tipo de cada vez no liqüidificador até formar uma farinha fina.
Reserve.
Para o vatapá:
Bata os pães amolecidos, os tabletes de caldo de peixe, o amendoim, a castanha de caju, as farinhas dos camarões, a cebola, o alho, a cebolinha, a salsa, o coentro, a pimenta de cheiro, metade do azeite de dendê e o gengibre até ficar uma massa densa.
Reserve.
Numa panela quente, misture o azeite de oliva com o restante do dendê.
Doure os camarões frescos e junte à massa de vatapá e ao leite de coco.
Mexa sempre em fogo médio por aproximadamente 30 minutos.
Sirva com arroz ao leite de coco, moqueca de camarão, moqueca de feijão e farofa de dendê.
Rendimento: 15 pessoas

Ingredientes

– 8 pães amanhecidos (amolecidos em 2 litros de água quente)

- 2 tabletes de caldo de peixe

- 150 g de amendoim torrado sem casca moídos (para a massa)

- 100 g de castanha de caju torrada e moída (para a massa)

- 100 g de camarão seco batido no liqüidificador até formar uma farinha

- 50 g de camarão defumado batido no liqüidificador até formar uma farinha (para a massa)

- 1 cebola grande picada

- 4 dentes de alho

- ½ xícara (chá) de cebolinha picada

- 1 xícara (chá) de salsa picada

- ½ xícara (chá) de coentro picado

- 1 pimenta de cheiro

- 200 ml de azeite de dendê (100 ml para a massa e 100 ml para dourar o camarão)

- 1 colher (sopa) de gengibre ralado fino

- 80 ml de azeite de oliva

- 200 g de camarão fresco pistola

- 300 ml de leite de coco


Modo de Preparo


Para a farinha de camarão:

Espalhe cada tipo de camarão numa fôrma.

Leve para secar em forno alto por 15 minutos, mais ou menos.

Bata 1 tipo de cada vez no liqüidificador até formar uma farinha fina.

Reserve.


Para o vatapá:

Bata os pães amolecidos, os tabletes de caldo de peixe, o amendoim, a castanha de caju, as farinhas dos camarões, a cebola, o alho, a cebolinha, a salsa, o coentro, a pimenta de cheiro, metade do azeite de dendê e o gengibre até ficar uma massa densa.

Reserve.

Numa panela quente, misture o azeite de oliva com o restante do dendê.

Doure os camarões frescos e junte à massa de vatapá e ao leite de coco.

Mexa sempre em fogo médio por aproximadamente 30 minutos.


Sirva com arroz ao leite de coco, moqueca de camarão, moqueca de feijão e farofa de dendê.


Rendimento: 15 pessoas





TUDO SOBRE O CHIMARRÃO

14 08 2009

TRADIÇÃO GAUCHA

chimarrao3

O chimarrão é uma tradição gaúcha que acompanha a peonada do campo e da cidade diariamente, o clima quase sempre frio favorece a prática desse outro costume que além de gostoso é revigorante e também fraterno pois a cuia passa de mão em mão, dando sequência nas trovas e conversas. E é ótimo parceiro do churrasco, pois é diurético e digestivo.


2089447825_1493d84fef

Curtindo a cuia:

Antes de tu ires mateando, tens que dar um trato na cuia.

*Seguem abaixo orientações para isso.

Cura-se uma cuia enchendo-a de erva-mate pura ou misturada com cinza vegetal e água quente. Este pirão deve permanecer por dois ou três dias, sempre úmido, para que fique bem curtida, impregnando o gosto da erva em suas paredes. A Cinza é para dar maior resistência ao porongo.

Passando o tempo determinado, retira-se a erva-mate da cuia, raspando com uma colher, para eliminar alguns baraços que tenham ficado.

Enxágua-se com água quente e estará curada ou curtida, pronta para entrar em uso. O mate ou cuia se cura cevando, isto é, à medida que vai sendo usada vai dando melhores mates.

Há quem goste de colocar o mate (cuia) num cozimento com flores de maçanilha após o curtimento.


Preparando o Chimarrão

chimarrao

1. Comece colocando água para ferver

2. Coloque a erva em 3/4 da cuia

3. Tape com a mão, e deite a erva até ficar quase vertical, sacuda.

4. Despeje água morna na cuia na quantidade suficiente para deixar a erva armada na posição inclinada.

5. Deixe inchar a erva por mais ou menos 3 minutos.

6. Enterre a bomba na erva tapando a ponta com o polegar. Vá até o fundo.

imagem.php

7. Deixe a água chiar, sem ferver.

8. Encha a cuia e tome até roncar, antes de passar para outra pessoa.

9. Agora você está pronto para saborear o seu chimarrão.

Adicione água quente (80ºC) no espaço vazio próximo a bomba enchendo a cuia (sem cobrir completamente a erva).

Beba até que a água tenha terminado e volte a encher a cuia e assim por diante. Não mova a bomba e continue usando a mesma erva até sentir que ela perdeu o gosto.

chimarrao (1)


Dicas . Use erva nova  e  não tome muito depressa


950771

OBS: Se tu és dos que estão descobrindo agora o chimarrão, seja pelo motivo apontado, seja por se tratar de turista de passagem ou ainda por qualquer outro motivo, saibas que, ao lado da simplicidade desse costume e da informalidade que caracteriza a roda de chimarrão, existem certas regras, mandamentos que devem ser respeitados por todos. Vejamos, pois, aquelas coisas que ninguém tem o direito de fazer, sob pena de ver os gauchos empunhar lanças pela enésima vez na história e  talvez  antecipar o “dia seguinte”.

(01) NÃO PEÇAS AÇÚCAR NO MATE

O gaúcho aprende desde piazito que o chimarrão se chama também mate amargo ou, mais intimamente, amargo apenas. Mas, se tu és dos que vêm de outros pagos, mesmo sabendo poderás achar que é amargo demais e cometer o maior sacrilégio que alguém pode imaginar neste pedaço do Brasil: pedir açúcar.

Pode-se pôr na água ervas exóticas, cana, frutas, cocaína, feldspato, dólar etc, mas jamais açúcar.

O gaúcho pode ter todos os defeitos do mundo mas não merece ouvir um pedido desses. Portanto, tchê, se o chimarrão te parece amargo demais não hesites: pede uma Coca-Cola com canudinho. Tu vais te sentir bem melhor.

(02 )NÃO DIGAS QUE O CHIMARRÃO É ANTI-HIGIÊNICO

Tu podes achar que é anti-higiênico pôr a boca onde todo mundo põe. Claro que é. Só que tu não tens o direito de proferir tamanha blasfêmia em se tratando do chimarrão. Repito: pede uma Coca-Cola com canudinho. O canudo é puro como água de sanga (pode haver coliformes fecais e estafilococos dentro da garrafa, não no canudo).

(03) NÃO DIGAS QUE O MATE ESTÁ QUENTE DEMAIS

Se todos estão chimarreando sem reclamar da temperatura da água, é porque ela é perfeitamente suportável por pessoas normais. Se tu não és uma pessoa normal, assume e não te fresqueies. Se  porém, te julgas perfeitamente igual às demais, faça o seguinte: vai para o Paraguai. Tu vais adorar o chimarrão de lá.

(04) NÃO DEIXES UM MATE PELA METADE

Apesar da grande semelhança que existe entre o chimarrão e o cachimbo da paz, há diferenças fundamentais. Com o cachimbo da paz, cada um dá uma tragada e passa-o adiante. Já o chimarrão, não. Tu deves tomar toda a água servida, até ouvir o ronco de cuia vazia. A propósito, leia logo o mandamento seguinte.

(05) NÃO TE ENVERGONHES DO “RONCO” NO FIM DO MATE

Se  ao acabar o mate, sem querer fizeres a bomba “roncar”, não te envergonhes. Está tudo bem, ninguém vai te julgar mal-educado. Este negócio de chupar sem fazer barulho vale para Coca-Cola com canudinho…

(06) NÃO MEXAS NA BOMBA

A bomba do chimarrão pode muito bem entupir, seja por culpa dela mesma, da erva ou de quem preparou o mate. Se isso acontecer, tens todo o direito de reclamar. Mas  por favor, não mexas na bomba. Fale com quem lhe ofereceu o mate ou com quem lhe passou a cuia. Mas não mexas na bomba.

(07) NÃO ALTERES A ORDEM EM QUE O MATE É SERVIDO

Roda de chimarrão funciona como cavalo de leiteiro. A cuia passa de mão em mão, sempre na mesma ordem. Para entrar na roda, qualquer hora serve mas, depois de entrar, espera sempre tua vez e não queiras favorecer ninguém, mesmo que seja a mais linda  prenda do Estado.

(08) NÃO “DURMAS” COM A CUIA NA MÃO

Tomar mate solito é um excelente meio de meditar sobre as coisas da vida. Tu mateias sem pressa, matutando, recordando…  Agora, tomar chimarrão numa roda é muito  diferente. Aí o fundamental não é meditar e sim integrar-se à roda. Numa roda de chimarrão, tu falas, discutes, ri, xingas, enfim, tu participas de uma comunidade em confraternização. Só que esta tua participaçâo não pode ser levada ao extremo de te fazer esquecer da cuia que está em tua mão. Fala quanto quiseres mas não esqueças de tomar teu mate, que a gurizada tá esperando.

(09) NÃO CONDENES O DONO DA CASA POR TOMAR O 1º MATE

Se tu julgas o dono da casa um grosso por preparar o chimarrão e tomar ele próprio o primeiro, saibas que grosso é tu. O pior mate é o primeiro e quem o toma está te prestando um favor.

(10) NÃO DIGAS QUE CHIMARRÃO DÁ CÂNCER NA GARGANTA

Pode até dar. Mas não vai ser tu, que pela primeira vez pegas na cuia e irás dizer  com ar de entendido, que chimarrão é cancerígeno. Se aceitaste o mate que te ofereceram, toma e esquece o câncer. Se não der para esquecer, faça o seguinte: pede uma Coca-Cola com canudinho, que ela… etc, etc

v45060607

LENDA DO CHIMARRÃO

Existem muitas lendas contando como foi que começou o uso da erva mate.

A tribo de índios guarany derrubava um pedaço de mata, plantava a mandioca e o milho, mas depois de quatro ou cinco anos a terra se euxaria e a tribo precisava emigrar a terra além.

Cansado de tais andanças, um velho índio, já mui velho, um dia recusou seguir adiante e prefere quedar-se na tapera. A mais jovem de suas filhas, a bela Jary ficou entre dois corações: seguir adiante, com os moços de sua tribo, ou ficar na solidão, prestando arrimo ao ancião até que a morte o levasse para a paz do Yvi-Marai. Apesar dos rogos dos moços, terminou permanecendo junto ao pai.

Essa atitude de amor mereceu ter recompensa. Um dia chegou um pajé desconhecido e perguntou à Jary o que é que ela queria para se sentir feliz. A moça nada pediu, mas o velho pai pediu, “renovadas forças para poder seguir adiante e levar Jary ao encontro da tribo que lá se foi”.

Entregou-lhe o pajé uma planta muito verde, perfumada de bondade, e ensinou que ele plantasse, colhesse, as folhas, secasse ao fogo, triturasse, botasse os pedacinhos num porongo, acrescenta-se água quente ou fria e sorvesse essa infusão, “terás nessa nova bebida uma nova companhia saudável mesmo nas horas tristonhas da mais cruel solidão”. Dada a receita partiu.

Foi assim que nasceu e cresceu a caá-mini. Dela resultou a bebida caá-y que os brancos mais tarde adotaram o nome de chimarrão.

Sorvendo a verde seiva o ancião retemperou-se, ganhou força e pode empreender a longa viaje até o reencontro com seus. Foram recebidos com a maior alegria.

E a tribo toda adotou o costume de beber da verde erva, amarguentinha e gostosa que dava força e coragem e confortava amizade mesmo nas horas tristonhas da mais total solidão.

erva$20mate

Evolução Histórica

O uso desta planta como bebida tônica e estimulante já era conhecido pelos aborígenes da América do Sul. Em túmulos pré-colombianos de Ancon, perto de Lima no Peru, foram encontradas folhas de erva mate ao lado de alimentos e objetos, demonstrando o seu uso pelos incas.

Desde os primórdios da ocupação castelhana no Paraguai, indicado por Don Hernando Arios de Saavedra (governante de 1592-1594), observou-se a utilização da erva mate pelos indígenas.

Os primeiros jesuítas estabelecidos no Paraguai (posteriormente nas missões), fundaram várias feitorias, nas quais o uso das folhas de erva mate já era difundido entre os índios guaranis, habitantes da região.

Posteriormente observou-se que os indígenas brasileiros, que habitavam as margens do rio Paraná, utilizavam-se igualmente desta Aquifoliácea. Outras tribos não localizadas em regiões de ocorrência natural da essência, possuíam o hábito de consumi-la, obtendo-a através de permuta.

Estas tribos localizadas no Peru, Chile e Bolívia, transportavam o produto por milhares de quilômetros.

Orientados pelos jesuítas, instalados na Companhia de Jesus do Paraguai (denominação dada no século XVII aos territórios das províncias do Paraguai, Buenos Aires e Tucuman), os indígenas iniciaram as plantações de erva mate.

Concomitante a implantação de ervais, os jesuítas aprofundaram-se no estudo do sistema vegetativo da planta, visto que as sementes caídas das erveiras não germinavam naturalmente. Os jesuítas definiram preceitos sobre época de colheita de sementes, do preparo e cultivo da erva mate.

Por mais de século e meio (1610-1768), quando se deu a saída forçada da Companhia de Jesus, os jesuítas exploraram o comércio e a exportação do mate. O Padre Nicolós Durain observou que os índios tomavam o mate em água quente, não podendo passar sem ele no trabalho, muitas vezes, pois era o único sustento.

As bandeiras paulistas que de 1628 a 1632 percorreram as regiões de Guaíra regressaram trazendo índios guaranis prisioneiros, e com eles o hábito da bebida.

erva01

Origem do nome Mate

O espanhol preferiu usar a voz “mate”, da língua quíchua, e que se ajusta melhor à modalidade grave do idioma. A palavra quíchua “mati” era a designação da cuia. Substituiu a palavra guarany, caiguá, nome composto das vozes caá (erva), i (água) e guá (recipiente). O significado é o seguinte: recipiente para a água da erva.

443d308da8ef5





CHURRASCO

13 08 2009

Tradição Gaucha!!

churrasco2

Churrasco gaúcho é tri bom, tchê!

0,,14704541,00

Não é à toa que o churrasco é patrimônio do Rio Grande do Sul…
Que tal aprender um pouquinho sobre carne
para fazer um churrasco tri bom, como dizem os gaúchos?
Vamos conhecer agora o hábito que acompanha o gaúcho desde o berço
O RS é o estado mais ao sul do Brasil. Faz fronteira com o Uruguai e com a Argentina.
Há uma particularidade na decoração das varandas
de casas e apartamentos: em quase todos, há uma churrasqueira.
Em primeiro lugar na hora de escolher a carne para o churrasco,
deve-se verificar se ela está bem vermelha. Outra dica é checar a quantidade de gordura:
quanto mais gordura, mais velho é o boi. E, quanto mais velho, mais dura a carne.
O ideal é fazer churrasco com carne nova e resfriada. Mas,
como saber quando vamos ao açougue? Fácil: quanto menor a peça, mais nova a carne.
Um lugar muito visitado e onde tem carne de boa procedência em Porto Alegre é o Mercado Público.
Lá, tem de tudo: frutas, vinhos, chimarrão e, claro, carne.
Agora, vamos testar os teus conhecimentos sobre as partes do boi.
O cupim fica no “cucuruto”do boi; o contra-filé é vizinho do
a costela fica logo embaixo e coladinho a ela fica a fraldinha;
na parte de trás do boi ficam a picanha, a alcatra, a maminha; na perna, está o lagarto.
Mas, como se prepara um bom churrasco?
A primeira regra é não congelar a carne.
O sangue resseca e a carne perde o gosto.
Aí, chega a hora de temperar a carne.
O típico churrasco gaúcho leva apenas sal grosso
(assim, preserva-se o gosto da carne).
Para espetar a carne, um segredo: comece pelo lado da gordura,
firme o espeto e faça um ziguezague para espetar o resto da carne.
Tradicionalmente, o churrasco é feito em um fogo de chão.
Assim faziam os índios e os gaúchos da região dos pampas.
Mas, hoje em dia, usa-se carvão e churrasqueiras feitas de tijolos.
E, qual seria a carne preferida dos gaúchos? A costela, sem dúvida.
É uma carne que contém gordura e, portanto, fica muito macia.
Outro detalhe da costela: mesmo que você a coma todos os dias,
ela sempre terá um gosto diferente…
O certo é espetar a costela entre o osso e a carne por causa do seu peso.
Depois de jogar sal grosso por cima da carne,
espalhá-lo por todo o pedaço, e de esperar entre uma e oito horas no fogo brando,
a carne está pronta.
Outros tipos de carne demoram bem menos…
Não tem jeito: gaúcho sabe fazer churrasco, de fato.
Não é à toa que o churrasco é patrimônio do Rio Grande do Sul.

Não é à toa que o churrasco é patrimônio do Rio Grande do Sul…

Que tal aprender um pouquinho sobre carne para fazer um churrasco tri bom, como nós Gauchos falamos????

Vamos conhecer agora o hábito que acompanha o gaucho desde o berço.

O RS é o estado mais ao sul do Brasil. Faz fronteira com o Uruguai e com a Argentina. Há uma particularidade na decoração das varandas de casas e apartamentos: em quase todos, há uma churrasqueira.

Em primeiro lugar na hora de escolher a carne para o churrasco, deve-se verificar se ela está bem vermelha. Outra dica é checar a quantidade de gordura: quanto mais gordura, mais velho é o boi. E, quanto mais velho, mais dura a carne. O ideal é fazer churrasco com carne nova e resfriada. Mas, como saber quando vamos ao açougue? Fácil: quanto menor a peça, mais nova a carne.

Um lugar muito visitado e onde tem carne de boa procedência em Porto Alegre é o Mercado Público. Lá, tem de tudo: frutas, vinhos, chimarrão e, claro, carne.

Agora, vamos testar os teus conhecimentos sobre as partes do boi. O cupim fica no “cucuruto”do boi; o contra-filé é vizinho do filé; a costela fica logo embaixo e coladinho a ela fica a fraldinha; na parte de trás do boi ficam a picanha, a alcatra, a maminha; na perna, está o lagarto.

Mas, como se prepara um bom churrasco? A primeira regra é não congelar a carne. O sangue resseca e a carne perde o gosto.

Aí, chega a hora de temperar a carne. O típico churrasco gaúcho leva apenas sal grosso (assim, preserva-se o gosto da carne).

Para espetar a carne, um segredo: comece pelo lado da gordura, firme o espeto e faça um ziguezague para espetar o resto da carne. Tradicionalmente, o churrasco é feito em um fogo de chão. Assim faziam os índios e os gaúchos da região dos pampas. Mas, hoje em dia, usa-se carvão e churrasqueiras feitas de tijolos.

E qual seria a carne preferida dos gaúchos? A costela, sem dúvida. É uma carne que contém gordura e, portanto, fica muito macia. Outro detalhe da costela: mesmo que você a coma todos os dias, ela sempre terá um gosto diferente…

O certo é espetar a costela entre o osso e a carne por causa do seu peso. Depois de jogar sal grosso por cima da carne, espalhá-lo por todo o pedaço, e de esperar entre uma e oito horas no fogo brando, a carne está pronta. Outros tipos de carne demoram bem menos…

Não tem jeito: gaúcho sabe fazer churrasco, de fato.

Não é à toa que o churrasco é patrimônio do Rio Grande do Sul.








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.